Dreams Arts Design

Bem-vindo ao Dreams Art's Design. Para poder utilizar todos os atributos deste fórum, será necessário que você crie uma conta de usuário. O cadastro é gratuito e leva pouco tempo para ser preenchido. Após o cadatro você estara automaticamente fazendo parte do grupo Dreams Arts Design e terá acesso a recursos exclusivos para membros. Registre-se e participe!

Atenciosamente, Equipe Dreams Arts Design
Dreams Arts Design
ATENÇÃO: Vamos mudar toda a estrutura do site, semana que vem o mesmo ficara OFF para realização da mudança. Em breve vocês terão nova areas no fórum. Espero que gostem.

    Sete dos dez crackers mais ativos são do Brasil

    Compartilhe
    avatar
    Douglas Pereira
    O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente.
    O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente.


    Mensagens : 2776
    Pontos : 9002
    Data de inscrição : 12/05/2009
    Respeito às regras. :
    Idade : 10
    Localização : Recife- Pe

    Sete dos dez crackers mais ativos são do Brasil

    Mensagem por Douglas Pereira em Qua Out 20, 2010 5:13 pm


    Muito interessante essa matéria que a BBC Brasil publicou:

    O Brasil continua no topo da lista dos grupos crackers em todo o mundo. De acordo com pesquisa desenvolvida pela mi2g Intelligence Unit, empresa de consultoria de risco digital baseada em Londres, entre os dez grupos que mais invadiram sites durante o mês de outubro, sete estão baseados no Brasil.
    Nos últimos dois anos, o Brasil vem figurando com destaque na lista dos crackers que incluem desde pessoas que invadem pequenos sites, até os que conseguem fraudar cartões de créditos ou sistemas de governos. De acordo com a mi2g, só neste ano a ação dos crackers já causou prejuízos entre US$ 118,8 bilhões e US$ 145,1 bilhões (entre R$ 336 bilhões e R$ 413 bilhões) em todo o mundo. A ação dos crackers em 2003 aumentou em relação ao ano passado, quando os brasileiros lideraram também o topo da lista.

    Prejuízos

    Os prejuízos no mercado mundial giraram entre US$ 44 bilhões e US$ 54 bilhões (entre R$ 125 bilhões e R$ 154 bilhões) no ano passado. Os dados divulgados pela mi2g são baseados no sistema Eveda, que estima danos e perdas econômicas de empresas, levando em consideração produtividade e tempo perdidos, além de custos de reparação dos sistemas atingidos. A pesquisa conta o número de sistemas atacados, sem considerar o impacto que causaram. Essa forma de análise é contestada por alguns especialistas que acreditam que a amostragem quantitativa acaba distorcendo a realidade.

    Na opinião de Rinaldo Ribeiro, de 28 anos, gerente de tecnologia da empresa carioca 3 elos, é um exagero dizer que o Brasil está no topo do ranking dos crackers. “Certamente é um exagero, porque eles fazem coisas menos criminosas e menos poderosas. Eu não considero esses índices. Na verdade são páginas que são modificadas, para poder medir se um país ou um grupo tem conhecimento, principalmente sobre essa questão de segurança”, disse Ribeiro.

    Poder

    A discussão veio à tona depois que o jornal norte-americano The New York Times publicou matéria há cerca de duas semanas dizendo que o Brasil estava se tornando um laboratório de crimes de informática, baseado em um dos relatórios da mi2g.

    O último relatório divulgado pela empresa, relativo ao mês de outubro, confirma a liderança do Brasil na lista dos grupos que mais causam danos à rede mundial de Internet, como divulgou o jornal. O consultor acha que quantidade é bem diferente de qualidade e que o Brasil fica atrás de muitos países quando se fala em poder dos crackers.

    “Pelos índices genéricos apresentados não dá para medir o que acontece realmente. Se for comparar com o poder, pela capacidade encontrada em outros países como a Polônia ou a China, o Brasil está longe desse topo. Acho que a forma como esta informação é disseminada acaba criando uma imagem distorcida do que acontecesse na realidade”, disse Ribeiro. Ele reconhece, no entanto, que os grupos brasileiros realizam “um grande volume de ataques”.

    O consultor, que já foi chamado de o maior cracker do mundo por ter conseguido por quatro anos ganhar um concurso de quebra de sistemas nos Estados Unidos, acha que esse grande número de ataques revela a fragilidade dos sistemas. “A quantidade de problemas que aparecem todos os dias é enorme, tal como a quantidade de ferramentas que surgem a toda hora. Manter o sistema de rede de segurança em um bom nível é complicado. Existe hoje uma dificuldade de se chegar a um nível de segurança e manter isso”.

    Conhecimento

    Rinaldo Ribeiro lembra ainda que os grandes casos, ao contrário dos que aparecem nos relatórios de empresas de consultoria, não chegam ao conhecimento do público. “A grande maioria dos ataques, as coisas mais sérias, não está disponível para a mídia. (Quando) um grupo russo entra em uma grande empresa de tecnologia nos Estados Unidos isso não sai nos jornais. Falhas muito sérias não são trazidas a público. Então, pode ficar parecendo para quem lê jornal: no Brasil está cheio de criminosos, lançando ataques todos os dias”.

    Importantes ou não, os ataques dos crackers brasileiros já estão deixando uma marca negativa para o país. Rinaldo Ribeiro disse que alguns sites internacionais já estão bloqueando seus acessos aos internautas brasileiros temendo ataques. O do governo norte-americano é um deles.

    Fonte:
    BBC Brasil


    _________________


    Obrigado shurinha bibinha do meu core



    avatar
    Myth
    Designer
    Designer


    Mensagens : 225
    Pontos : 3600
    Data de inscrição : 17/12/2009
    Respeito às regras. :
    Idade : 25
    Localização : Salvador/BA

    Re: Sete dos dez crackers mais ativos são do Brasil

    Mensagem por Myth em Qua Out 20, 2010 5:57 pm

    Isso é um assunto muito importante... Uma das coisas que as pessoas não entendem, é a diferença entre o "Hacker" e o "Cracker". Os dois tem o poder de usar o que sabem para o mal, mas a pessoa é chamada "Cracker" quando faz uso de seu conhecimento avançado em computação para fins anti-econômicos, tais como fazer os famosos "cracks"(daí o nome "Cracker"), descobrir databases e roubar informações importantes.
    O próprio nome "Hacker" tem a denominação daquele que modifica softwares legalmente, com o intuito de melhorá-los e torná-los mais úteis. Normalmente, esses softwares são de segurança.
    Enfim, uma breve descrição para distinguir os termos ^^
    E valeu Doug, pela informação, afinal, conhecer o mundo nunca é demais =DD
    :farra:

      Data/hora atual: Dom Dez 16, 2018 6:15 pm